Arquivo para setembro, 2010

CROTE SANTO

Posted in Uncategorized on setembro 5, 2010 by contosdacratera

Por Glaucio Fabrizio

Em um pequeno pedaço de chão do mundo, entre o trópico de capricórnio e o equador, onde o sol teimava em brilhar seus últimos raios por volta das 18 horas com preguiça de espiar o oceano atlântico, viveu dias estranhos o célebre cidadão do Vilarejo do Crote Santo, Venceslau Trindade. Não era bem um cidadão porque não se tratava nem cidade nem vilarejo, pelo menos não para o censo mor da nação dos Brasis.

Crote Santo apesar de estar situada há pouca distância da costa, não podia ser considerado um vilarejo caiçara, porque afinal de contas ninguém por ali pescava. Existia na verdade alguns roçados coletivos, árvores frutíferas e um olho d’água brotando da terra, uma fonte natural. Há poucos metros existia o mar e dessa forma um porto imenso para o mundo, mas eles preguiçosamente preferiram se acomodar ao redor do olho d’água e viver de frutas e alguns legumes plantados. O trecho da costa era muito acidentado com formações rochosas que criava uma barreira dos infernos para o vilarejo, era mais fácil, portanto, viver junto da fonte de água que jorrava sem parar. Vencer a barreira não era algo convidativo para eles.

A população de Crote Santo era formada por renegados da sociedade, homens que perderam suas famílias, mulheres e crianças que vagavam até chegar lá, geralmente mazelados, moribundos envoltos em trapos. Aqueles que sobreviviam continuavam a viver no vilarejo até o último dia de suas vidas como em um purgatório, esperando a redenção de seus pecados e uma entrada para o paraíso. Como eles conseguiam chegar, ninguém sabe. Não existia um líder naquela comunidade, todos viviam suas vidas e ainda ajudavam aqueles novos que apareciam. Poucos sabiam ler, mas a grande maioria era de ignorantes, pessoas rudes, sem modos nem estilo, na visão do sociólogo suíço Ronald Esper.  Trabalhavam poucos meses do ano, tirando da colheita seu sustento e tinham preguiça de caçar. Uns diziam:

– Num tem pra quê  ôme, matar os bixin. Dá um trabalho danado, aff!

Durante anos chegavam levas de maltrapilhos, poucos nasciam, muitos morriam, mas sempre apareciam mais almas atormentadas para terem seu último descanso ate os portais do paraíso. Estes geralmente chegavam calados, cabisbaixos, matavam a sede no olho d’água, comiam algumas goiabas do chão e aos poucos se tornavam moradores. Em alguns meses levantavam uma casinha de taipa, com a ajuda dos vizinhos, às vezes ocupavam as casas fechadas daqueles que já tinham morrido. O mundo parecia em guerra e ali era uma espécie de campo de refugiados, quiçá um quilombo.

O nome do vilarejo havia sido dado pelo morador mais antigo, Seu Dadá, um velho de corpo delgado, carapina branca, sorridente e que sofria de mal do esquecimento, sempre duvidava se já existia no local alguém antes dele. Quando se tocava no assunto, ficava olhando pro nada, desligado do mundo, os olhos ficavam marejados, ensaiava um choro e logo dava uma gargalhada desdentada. Embora as intempéries do tempo tenham castigado a memória do velho Dadá, ele ainda recordava algumas coisas, inclusive como deu nome ao lugar:

Era noite enluarada e quente e deu vontade de subir num pé de cajarana pra mode levar um fresco nos bagos. Quando vi ao longe, em riba da gruta do olho d’água, uma luz que alumiava mais que a lua cheia e o sol emparelhado. Achei até que o mundo tinha ficado de cabeça pra baixo, ou que a lua e as estrela tava no chão e o chão tava no céu. Ai quando tava descendo, escorreguei e cai de cara. Quando acordei, achei que tava morto, porque tinha uma anja me mostrando um pé de crote que brilhava que só. Ela disse que eu cumesse o crote, e eu cumi, sei que adormeci e acordei dois dias depois todo cagado, mas me sentindo muito bem, porque já fazia três dias que eu num obrava direito. Num tinha mamão que desse jeito. Manquei três dias, mas depois fiquei bom, foi o Crote Santo!

Embora ninguém desse muita atenção ao que o velho dizia, todos tinham muito apreço por aquele ancião bem humorado, cheio de energia. Dava pulos cansados, dizendo que só duas coisas paravam no ar: o beija-flor e o próprio Dadá. Também dizia que fora jogador de futebol na juventude e que só não havia feito mais gols que o Rei.

Durante anos as coisas se sucederam como no princípio, ate o dia em que o velho já não dava mais piruetas e passou a ser visto sempre perto da gruta, tomando banho no olho d’água, continuava sorridente, porém era notável que o seu fim estava próximo. No dia de sua morte enquanto ele agonizava, alguns poucos ouviram suas últimas palavras, sempre a respeito do crote:

– O Crote, a Gruta, a água, é tudo santo!

Deram-lhe um gole d’água do olho numa quenga de côco e ele sorriu tranquilo enquanto adormecia lentamente, tal qual um neném no peito da mãe ouvindo uma cantiga de ninar, adormeceu para nunca mais acordar.

As coisas começaram a mudar no vilarejo, algo estranho havia acontecido com a morte do velho. Desde então, não aparecera mais nenhuma alma, nenhum flagelado, mazelado ou que fosse, nada como era antes. Não demorou até o dia em que alguém mais supersticioso tenha atribuído aquilo a algum tipo de catimbó que fora jogado sobre o vilarejo no dia da morte de Seu Dadá. Os poucos que eram cristãos atribuíam ao castigo por não ter ouvido as palavras santas do velho. Durante anos conforme as pessoas iam morrendo, casebres eram deixados para trás e acabaram virando mausoléu de seus antigos moradores, passaram a ser moradores eternos.

Alguns anos depois, em uma noite quente enluarada, como aquela em que Seu Dadá viu o crote brilhante, apareceu aos trancos e barrancos uma figura alta corpulenta ensopada de sangue, todo desfigurado, mais mazelado impossível. Era quase um cadáver sonâmbulo que saiu da cova para caminhar no vale dos vivos, se arrastava com muita dificuldade. Todos ficaram imóveis, feito estátua, observando o homem que chegou, parou e tombou de cara no chão.

Apesar de ensaguentado parecia se vestir com roupas finas, não carregava carteira, apenas um óculos escuros aro tartaruga no bolso do paletó. Via-se logo de cara que seus óculos não teriam utilidade, porque o homem não tinha orelhas, alguém ou algo havia lhes cortado as duas, depois se viu que lhe faltava um dedo da mão direita (o mindinho) e o polegar da mão esquerda. Algumas mulheres mais prestativas tiraram a roupa do homem para limpar suas feridas, notaram que felizmente não faltava mais nada do pobre coitado, pelo menos não nas partes baixas.

Durante sete dias mantiveram o homem de molho no olho d’água, alguns orando, outros rezando, tocando flautas feitas de bambu e tambores feitos de tronco de árvore. No sexto dia homens e mulheres entraram em transe coletivo, todos se amontoavam no olho d’água, nus uns sobre os outros, no meio de um caos frenético, de oração, rezas, tambores e sexo desenfreado. No sétimo dia o homem milagrosamente acordou, tirando o fato que não tinha orelhas e não ouvia nada que as pessoas tentavam falar para ele, apresentava uma aparência melhor do que a brutal sanguinolenta com a qual chegou ao vilarejo. Trouxeram-lhe frutas, água de côco. Esboçava alguns sorrisos de agradecimento, mas não falava uma só palavra, depois notaram que haviam arrancado sua língua também. Mesmo assim todos sentiam simpatia pelo pobre homem surdo-mudo por mutilação.

Como não carregava consigo nenhuma identificação e não falava nem ouvia, deram-lhe o nome de Venceslau Trindade, que era o nome escrito na etiqueta do seu paletó, logo depois esse passou a ser conhecido carinhosamente por Venceslau, o Môco. Estranhamente a comunidade exausta de sete dias de trevas, passou a viver em função do bem estar da última alma atormentada a chegar ao vilarejo. Anos se passaram e o tempo se resumia apenas em dia e noite, chovia pouco e o sol quando brilhava, tornava o céu ainda mais bonito. Todos veneravam o Venceslau, aquele que fora ressuscitado, assim como o judeu mais famoso da historia. Passavam boa parte do tempo sentados diante dele, hora admirando o silêncio e a placidez no seu rosto mutilado, hora dando gargalhadas quando este soltava gases, aquilo soava como que se tivessem ouvido alguma anedota engraçada, mas às vezes também choravam como que tivesse ouvido uma triste ou comovente estória embora nada pudesse ser mais comovente que a figura bizarra que estava prostrada diante de seus olhos. Homens traziam comida, mulheres ofereciam seus corpos e crianças doentes eram trazidas até ele, para serem tocadas pelo cotôco do seu polegar e serem curadas. O homem se tornara um santo vivo, havia sido beatificado pelo povo do vilarejo e nunca precisou de consentimento algum das autoridades máximas eclesiásticas que viviam em palacetes de ouro. O seu maior milagre foi sobreviver ao ódio do homem ganancioso, mesmo tendo seu corpo mutilado, tornou possível a salvação daqueles miseráveis que viviam naquele limbo, finalmente se sentiram prontos a galgar a paz de espírito do paraíso.

A vida e a morte continuaram jorrando, assim como a água que até hoje brota daquela gruta, com crotes frondosos ao seu redor, quase coroando o olho d’água. A fé das pessoas de lá não existe mais, porque tudo que restou da vila foram casebres mausoléus. O último morador do vilarejo, também foi o último a chegar. Ele continuou bebendo da água da fonte, embora não tivesse fé na mesma, simplesmente porque ela o fazia viver. Comia frutas e legumes até o dia em que sucumbiu a aquele pequeno pedaço de chão do mundo, localizado entre o trópico de capricórnio e o equador, onde o sol se punha diariamente às 18 horas, preguiçosamente, assim como foram os moradores de Crote Santo, que nunca quiseram viver do mar.

FIM

Anúncios

CORRETOR MARCIANO DE ALMAS parte final

Posted in Uncategorized on setembro 4, 2010 by contosdacratera

Deslizando a duas vezes a velocidade da luz em sua cápsula de transporte individual, Severino Johnson avistou em questão de minutos o horizonte da marrom atmosfera terrestre. Apesar do pouco tempo de viagem, esta não deixava de ser uma dolorosa travessia, que alterava sentidos, hormônios, genitália. A pressão era tamanha, que os bagos sofriam edemas que duravam semanas, a dor era ludibriada com analgésicos fortes contidas no seu traje espacial, a menor sensação de dor, automaticamente sua pele era bombardeada com dosagens precisas de morfina. Porem a pior parte da viagem ainda estava por vir ao pousar na superfície do planeta, principalmente por se tratar do perímetro letal da Crater City, povoada por seres canibais de toda espécie. Severino teria menos de 2 minutos para se desvencilhar da cápsula que se desintegraria há dois metros do pouso, engatilhar seu arsenal de fuzis e granadas marcianas, e já cair em solo atirando para todo lado com sangue nos olhos e uma fúria lacerante.

O sistema de voz da cápsula começa sua contagem regressiva:

– Alerta! 30 segundos para a desova – avisa a voz metálica.

-Desova! Eles deviam mudar isso, a gente já começa a missão fudido – reclama consigo mesmo o corretor conectando a saída de áudio do traje, seu mini stereo portátil onde tocava um alucinante Surf Music espacial de Venus.

– Alerta! Ejeção da Cápsula efetivada – Anuncia sua ultima mensagem a maquina, com sua voz feminina e robótica, friamente sexy.

Com a abertura da cápsula, há dois metros do solo, Severino já começa disparando rajadas nas criaturas que o ataca antes mesmo de pôr os pés em terra firme. O mau cheiro aumentava a cada tiro destroçador de crânios, afinal de contas, tais criaturas um dia já foram humanos e nada pode exalar tanta fedentina como um ser humano com suas glândulas arcaicas e apodrecidas.

Numa tentativa frustrada de controle populacional, usando armas biológicas, a base central atendeu aos apelos do governo e da opinião publica, contrários ao envio de tropas marcianas nas perigosas missões, começando os bombardeios com cargas alternadas de vírus e calor, nos 7 continentes da terra . A priori, a função do singelo vírus, seria de investir uma autofagia celular, levando o individuo infectado a uma morte degenerativa em 7 dias.  O Vírus, batizado depois de BIG SHIT, não surtiu o efeito desejado, pois apesar do grande numero de cadáveres contabilizados , estes passaram a ser um grande problema para o Departamento de Defesa. Tais criaturas não somente continuaram caminhando e ocupando as ruas, mesmo na condição de mortos, como também sentiam fome. Comiam de tudo que tivesse cérebro, embora  cérebros frescos de humanos fosse a iguaria mais apreciada. Os poucos centros que sobreviveram a tal investida conseguiram isolar-se em zonas seguras, formando ilhas cercadas de zumbis por todos os lados. Para obter o controle das zonas seguras, as autoridades marcianas foram obrigadas a triplicar os recursos bélicos para a sua tomada e controle.

Poucos mais de quinze minutos travando batalha com as criaturas vorazes foram necessários para que o corretor conseguisse finalmente atingir a fronteira segura da Crater City. Avistando a gigantesca cúpula vítrea, Severino finalmente conseguiu respirar aliviado. Chegando a fronteira fortemente monitorada pelas tropas marcianas, o corretor foi resgatado por um veiculo que mais lembrava uma gigante bolacha preta com propulsores movidos a metano, o grande motivo de discórdia entre terráqueos e marcianos. O gás passou a ser um problema de âmbitos galácticos, com a superpopulação humana em meados do século 41. Ironicamente, a flatulência planetária que afetou diretamente a ordem da galáxia, alterando completamente o ciclo geológico e climático de todo o sistema solar, passou a ser visto como a principal fonte de energia que não só mantinha o funcionamento das maquinas na terra, como em toda as outras empreitadas espaciais do império marciano, mesmo que este fosse estritamente proibido pelo protocolo de Kôkôto há quase dois séculos. Com muita astúcia, o famigerado líder da época, Henry Asslinger, teve a brilhante de idéia de forçar um controle populacional na terra, obtendo desta forma, a estocagem do gás e mantendo a ordem no sistema solar, provendo um meio barato de energia, para todo o império. Desde a medida tomada pelo antigo líder, terráqueos e marcianos travam disputas pelo controle e poder do planeta, que um dia já foi azul.

– Porra, como sempre bem recepcionado por essas bestas infernais – reclama para variar o duro Severino ao ser monitorado e desinfetado pela equipe de controle.

– Me disseram que esta será sua ultima missão – comenta o infectologista.

– É o que dizem – responde Severino enquanto acende um cigarro de filtro vermelho.

– Isso ainda vai te matar – Aconselha o medico.

–  Não, o que vai me matar fede e peida desgraçadamente para que se possa acender a porra de uma lâmpada num quartinho de empregada em um condomínio de luxo em marte – rebate encarando um Severino como sempre mal humorado.

Uma lâmpada verde se acende e uma vermelha se apaga:

– DESINFECTADO! – avisa uma voz de alto falante.

Logo em seguida uma escotilha se abre dando passagem para o corretor, que antes joga o cigarro no chão o apagando com suas pesadas botas de soldado, o que gerou um certo olhar de desaprovação do responsável pela desinfecção.

Um pequeno sujeito trajando um jaleco azul e óculos enormes se aproxima de Severino, telepaticamente dá as ultimas instruções e o avisa em alto e bom pensamento:

– O teleportador está pronto, em 10 segundos você estará ao encontro do alvo, aconselho ter muito cuidado!

– Vá tomar no cu! – responde em pensamento Severino com uma antiga insolência terráquea.

– Tomar o que? É uma espécie de nova bebida? – indaga o desavisado operador de teletransporte.

– Deixa pra lá – rebate o Severino com um sorriso malicioso.

Subindo em uma espécie de plataforma com luzes que mais lembrava os pisos de discotecas primitivas terráqueas, o corretor aguardou enquanto o pequeno sujeito girava uma manivela numa velocidade estonteante. Em questão de segundos uma luz púrpura contornou a plataforma como uma cortina de banheiro de motel vagabundo, fazendo o corretor desaparecer e em um piscar de olhos o transportou para um sinistro corredor de hotel não menos barato, com papel de parede descascando e algumas lâmpadas mal acesas nos lustres adornados em cobre, diante da porta do quarto de numero 237.

A porta se encontrava semi-aberta e tudo que podia se enxergar era uma luz fraca que escapava pela fresta. Empurrando-a com a ponta do fuzil com muito cuidado, Severino avistou uma geladeira aberta e um quarto aparentemente vazio com uma poltrona virada para a janela. Ao aproximar da geladeira o corretor avistou varias ampolas e frascos vazios, constatou que se tratava do famigerado EC1000.

Ouvindo um barulho de dedos estalando, o corretor se virou para a poltrona, observando a luz de uma chama que se acendeu por trás dela e uma fumaça azulada que subia em direção ao teto serpenteando no ar. Curioso, Severino caminhou lentamente em direção a poltrona. Há pouco mais de 3 metros foi surpreendido onde ficou parado como que paralisado no seu ultimo passo, por um giro de 180 graus da poltrona, revelando o velho Matias Bronson, sentado de pernas cruzadas, vestindo um colete verde-oliva cheio de medalhas, insígnias, granadas e cintos cheio de balas, que cruzavam seu peito murcho. Uma escopeta de três canos que mais parecia uma bazuca descansava sobre o braço da poltrona apontando para o corretor, o velho usava um capacete folgado em sua cabeça chata. Sorrindo como uma criança com um par olhos vermelhos sanguinolentos, Seu Matias puxou um trago com muita força de seu cigarro derby blue, apertando o filtro com seus lábios corroídos pelo tempo, flexionando seus pulmões que quase pareceram saltar de sua caixa torácica inchando o peito.

Paralisado em seu ultimo passo, Severino fitou a arma do velho Matias enquanto o velho Matias fitava o seu fuzil. O marciano sorriu e no momento de puxar seu gatilho e jogar uma saraivada de projeteis flamejantes contra o alvo da missão, o breve silencio causado pela situação foi cortado pelo barulho que se sucedeu :

Enquanto Seu Matias soltou a fumaça do cigarro, disparou um tiro certeiro no peito do corretor, fazendo a poltrona ser jogada contra a parede, quebrando o vidro da janela. A força do impacto foi tanta, a ponto de quase  jogar ambos para fora do apartamento.

As paredes e o chão logo ficaram tomadas pelo sangue verde fosforescente do marciano que iluminava quase que sobriamente o lugar.  Enquanto agonizava e cuspia sangue pela boca, inutilmente tentava respirar deitado ao chão o destruído Severino. Seu Matias Bronson caminhou lentamente em sua direção e ficou observando o marciano deitado que morria lentamente as suas vistas.  Em seguida jogou o capacete junto a cabeça do agonizante corretor, este com muito esforço e de forma tremula se virou e  conseguiu ler a frase BORN TO KILL escrito na lateral do capacete do velho guerrilheiro.

Apoiando-se na escopeta, quase como uma bengala, Seu Matias conseguiu se ajoelhar diante do marciano. Rapidamente sacou do bolso do colete a sua navalha de estimação com cabo de marfim, abrindo o traje do moribundo usando a sua ponta. Em meio ao sangue verde que jorrava como fonte, rasgou ainda mais a ferida com uma incisão onde em seguida enfiou a sua mão magra como um legista sedento por cadáveres. Severino Johnson não sentia dor, mas serenamente em seus últimos momentos de vida, observou o velho Matias lhe sacar do peito o seu fígado que brilhava verde como uma esmeralda gelatinosa, sorrindo como uma criança faminta que acabou de fazer arte. Na retina do corretor marciano de almas, refletia a ultima imagem: uma cena distorcida do velho Matias Bronson devorando o fígado marciano, como numa lente grande angular.FIM